slide

07 julho 2016

A Playlist da Minha Vida





Atualizando as minhas leituras de férias, gostaria de abrir um parêntese para observar que livro ta caro pra caramba, seja em loja virtual, física ou sebo, desse jeito vou a falência. Feita a minha reclamação vamos falar sobre o livro desta semana. A Playlist da minha vida da editora Globo Livros escrito pela Leila Sales, ele entra no Desafio Crônica Sem Eira (sim eu ainda to tentando participar, hehe) como  ITEM 24- UM LIVRO QUE VOCÊ ACABOU DE COMPRAR, mas eu queria mesmo era que ele entrasse em "um livro sobre música", fazer o que né.
Elise Dembowski é uma garota do ensino médio que está experimentando o gosto amargo de não fazer parte de nenhum grupo da escola, ela não é popular e nem tem amigos, além de sofrer bastante bullying. Ninguém está interessado nela, e ela tenta de tudo para conseguir ter amigos, depois de muita confusão e grandes estragos Elise conhece a vida noturna na boate underground Start, onde ela encontra pessoas que compartilham com ela a mesma paixão avassaladora pela música, e essa nova descoberta pode virar o mundo dela de cabeça para baixo.
Nessa minha passada pela vida da Lise eu conheci uma garota muito interessante, que vive com os fones no ouvido e é muito inteligente. A princípio eu estava achando o livro bem chato e comum por pensar que se tratava do drama de uma garota impopular, coisa que eu poderia ver na "Sessão da Tarde", mas ao longo da leitura vou percebendo que a garota não quer ser popular, ela quer ter uma amiga, alguém que ela sinta que não a odeie, e vou descobrindo junto com Elise quem ela realmente é, como ela mesma se descreve, uma garota precoce que aprende as coisas muito facilmente.
Apesar das babaquices adolescente que ela comete eu sinto que ela é muito madura em vários aspectos de sua vida e o amor que ela sente pela música é contagiante,a autora até coloca trechos de músicas no início de cada capítulo e eu não pude deixar de procurar algumas, ela não é aquele típico personagem comum sem sal que ninguém gosta porque não se sobressai, ela é uma garota interessante que tem personalidade e é cativante com que a conhece. As coisas se desenrolam de um jeito fluido no livro para que você conheça vários personagens e veja junto com a Lis que cada um é de um jeito, bem diferente do seu, e isso aos olhos dos populares, é rejeitável.
Quanto mais Elise afunda mais ela conhece sobre o mundo real, as pessoas reais e como as coisas funcionam. Isso não é exatamente um spoiler, mas Elise se descobre como uma promissora DJ e isso a torna poderosa e dá a ela um mundo no qual ela possa escapar, mas ao mesmo tempo dá á ela o mundo onde ela possa viver sem sentir que está em uma fantasia. E eu sei que muita gente vai se identificar com a Elise enquanto outras vão achar que ela é muito dramática, mas para as pessoas certas ela será uma ótima professora e um ótimo exemplo.

"Você acha que é fácil mudar quem você é. Você acha que é fácil, mas não é. Sério, as coisas não continuam as mesmas para sempre: sofás são substituídos, os garotos se vão, você descobre uma música, o seu corpo ganha cicatrizes que te acompanharão para sempre. E em cada um desses momentos você muda, várias e várias vezes, o seu verdadeiro eu se revira, muda de posição-mas sempre, no fim, volta para você, como alguém numa pista de dança. Porque, durante todo esse processo, você ainda é- e sempre será-você: bonita e machucada, conhecida e irreconhecível. E ser assim-simplesmente quem você é- não é suficiente?"

Enfim, espero que se forem dar uma chance a um livro adolescente escolham este, vocês me acham nos comentários, até nosso próximo papo literário


Nenhum comentário:

Postar um comentário