Pular para o conteúdo principal

Vídeo-Documentário

Olá queridos leitores.
Neste post ansiosamente falarei um pouco mais dessa minha saga que é a graduação de jornalismo. Você devem ter notado um sumiço meu por aqui, certo? Dentre tantos motivos a faculdade é, talvez, o mais forte. 5° semestre não é brincadeira, é uma correria só e os projetos vão ficando cada vez mais desafiadores e exigindo um trabalho cada vez menos amador.
Na disciplina de Telejornalismo II foi nos passado a missão de fazer um vídeo-documentário, tema livre. Com todas as etapas, desde a idealização do tema, a ficha de entrevistas a serem feitas, a execução propriamente dita até a edição.
Todas as etapas carregavam consigo seus obstáculos, mesmo um simples preenchimento de ficha pré-documentário. A realização das entrevista foi de um tamanho desafio, extremamente estressante, igualmente perigoso. Explico o porquê:
O tema que escolhemos, sugestão dada pela colega integrante do grupo, foi TRABALHOS NOTURNOS. Uma idealização só! Pensamos o quanto seria honrado mostrar a difícil realidade dos trabalhadores noturnos, as dificuldades e a violência que eles passam.
No decorrer do documentário começamos a nos arrepender do tema. Primeiro precisaríamos do equipamento, leia-se câmera super cara, da faculdade, sendo que a maioria das entrevistas seriam feitas à noite. Depois, mesmo marcando com os entrevistados alguns não iam, outros tínhamos que abordar na hora e ai já viu né? Recebíamos "nãos", tínhamos que aguentar certas ignorâncias, ao mesmo tempo que morríamos de medo de ser assaltadas.
No fim deu tudo certo, entrevistamos os personagens, as autoridades- sempre deve ter autoridades/especialistas no assunto para compor de forma completa- e chega a hora da edição. Esta tarefa me ficou destinada e confesso que me deu um pouco de medo. Somente umas poucas vezes eu mexi com editores de vídeo, nada muito compromissado e completo quanto seria editar todo o nosso trabalho para depois apresentar. Optei pelo programa Camtasia que se mostrou mais eficaz e objetivo, principalmente para cortes, e o resultado, depois de uns mil e um retoques, revisões, mudanças, mais cortes e etc, foi muito satisfatório. Me senti orgulhosa por ter me desafiado dessa maneira.
Agora falemos mais sobre o tema escolhido. No momento em que escolhemos falar sobre esse assunto, tínhamos uma visão diferente do que encontraríamos, e na hora de conversar com as pessoas fomos desconstruídas e nossa percepção mudou, até mesmo o "tom" do documentário foi redirecionado. É importante sabermos que não somos os donos da razão porque vemos o mundo daquela forma. Uma importante lição que eu estou aprendendo nesse semestre é que devemos olhar fora da caixinha, aquilo que vemos pode não ser toda realidade, e foi isso que ocorreu, não enxergamos toda a situação com outros olhos, só o que achamos que era a verdade e por isso o trabalho ficou com outro aspecto.
Pensamos a princípio que falar sobre trabalhos noturnos mostraria a realidade difícil dessas pessoas, as dificuldades que elas passaM, com assaltos, com sono, entre outras limitações que o turno contrário traria, não imaginamos encontrar profissionais alegres, divertidos, felizes e satisfeitos com seus trabalhos. No todo isso não prejudicou o trabalho, mas poderia ter arruinado, por isso quando forem escolher um tema para qualquer coisa pensem nos diferentes rumos que ele pode tomar.
Na apresentação desta noite vi trabalhos incríveis e pude enxergar no dos colegas o que poderíamos ter melhorado no nosso. Apesar disso gostei do resultado final, mas além disso gostei especialmente de ter sido desafiada, desconstruída e tirada completamente da zona de conforto. Acredito que esta seja uma decorrência da arte jornalística em si, espero que as próximas experiências tragam sempre consigo um gostinho de orgulho salpicado de "quero mais".


ASSISTA AO NOSSO DOCUMENTÁRIO


Um agradecimento a todos envolvidos


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma curiosidade sobre o jornalismo: mascote

Olá queridos leitores,
hoje eu vim aqui trazer para vocês uma curiosidade do jornalismo. É algo que eu descobri recentemente, achei interessante, e vim compartilhar.
Você sabe qual é o mascote que representa o seu curso? Ou o símbolo dele? Não? Não acha que seja algo relevante?
Pois saiba que na sua formatura, o(a) organizador(a) do evento terá a obrigação de saber para inserir na cerimônia, além disso o mascote ou o símbolo pode ter uma grande carga moral e ética que resume bem a sua futura profissão ou o perfil adequado, e lhe servirá de guia em sua jornada. Como exemplo eu trouxe os símbolos ou mascotes do jornalismo:
Foca: a foca é destinada a representar os recém formados (novatos) ou que estão prestes a entrar no curso, representa aqueles com pouco ou nenhuma experiência, a foca é considerada um animal curioso e observa tudo ao redor, pois é algo novo para ele, além disso ela demonstra determinação. Há aqueles jornalistas que não gostam muito dessa representatividade.



Raposa: ah…

Como transformar seu dia

Ela acorda pela manhã às 6:00, não dá tempo de colocar aqueles 5 minutos a mais no despertador, é preciso correr e se arrumar, mal da tempo de assimilar as coisas ao seu redor, ou de espantar o sono. Nessa fração de segundo, entre chutar o edredom e pisar na cerâmica gelada, o pensamento de desistir do seu dia assola sua mente, será que se faltasse do serviço só por hoje seria demitida? Por que ela não podia se permitir ser mais irresponsável? Tão rápido quanto veio o pensamento se dissipa, onde já se viu? A dificuldade 2x pior na vida de outras pessoas, os planos para o futuro, aqueles que dependem dela e até o mimo no fim do mês são desculpas suficiente para seguir em frente.
Seu dia começou.
Novamente.
Mais doses daquela rotina construída.
Seu dia tem tudo para ser como todos os outros.
Ela entra no metrô, abre um livro e se perde na rotina de outra pessoa, cavalga suavemente nas palavras que descrevem uma vida que não é sua. O fato de estar em pé e ter que ficar com o braço levan…

Playletras da superação

Olá queridos leitores. Já fazia um tempão que eu não fazia Playletras né? Para compensar eu trouxe uma lista com um propósito nobre. No playletras de hoje eu quero pedir que você baixe essas músicas, pode ser no celular ou no computador, de preferência quando estiver sozinho, escute em volume alto e preste atenção na letra. Deixe sua mente vagar pela mensagem porque as canções de hoje foram feitas e selecionada para ajudar você a superar, seja um término, seja pessoas ruins na sua vida, escolhas ruins ou erros que você não consegue deixar para traz, essas bandas de rock querem te incentivar a seguir em frente, então aperte o play and move on!
1° Pitty- Serpente A baiana Pitty é aquela melhor amiga que te manda a real! Ela vai te dizer o que você precisa escutar não o que você quer. Recentemente ela passou por uma fase bem difícil mas transformou essas experiências em um álbum de superação, a melodia é cheia de instrumentos diferentes que nos embalam em uma leve alegria e ainda remete…