slide

23 fevereiro 2016

TELEJORNALISMO




Olá pessoal, eu dei uma pausa na minha pausa do blog para conversar com vocês sobre mais coisas do jornalismo, assunto que eu adoro abordar.
Se você está na faculdade, ou em curso técnico, escola, seja o que for, você já passou ou está prestes a passar pela fase do desânimo. Aquela fase que você não aguenta mais ir para aula, que precisa reforçar aquela voz interior que te obriga a sair de casa, talvez você não esteja mais tão animado com o curso, talvez você esteja pensando em largar só para ter mais tempo para dormir. É assim, a vida, principalmente a acadêmica e profissional tem seu altos e baixo, como qualquer outra categoria do nosso dia a dia.
Se você estiver passando por isso eu te digo, calma que acaba. Esse marasmo não será constante nem perpétuo. Vão existir ótimos momentos e experiências para te dar um gás, para te empurrar para frente com novos ou melhores propósitos, com as forças renovadas.
O meu ponta pé na bunda foi ontem, dia 22/02/2016. Na faculdade mesmo. Fui a uma aula Magna ministrada pelo Giulianno Cartaxo, apresentador do DF No Ar da Rede Record. Eu não sou tiete de quase nenhum apresentador/âncora/repórter da tv aberta (excessão do William Bonner), mas eu tinha a certeza de que ele teria muita experiência para nos passar.
A verdade foi que a aula dele foi muito inspiradora, ele é simpático e muito bom na profissão. Sai de lá com as energias e a paixão pelo jornalismo renovadas. Além de uma perspectiva, principalmente com a ala de telejornalismo, ampliada.
Eu não poderia deixar de compartilhar um momento tão gostoso com vocês, ai eu to aqui para trazer as melhores frases proferidas pelo Giulianno na palestra de ontem, e são a base, o arroz com feijão, como diz meu professor, do jornalismo. O que ele diz aqui é o que escutamos quase que diariamente dos nossos professores e o que devemos repetir como um mantra, para nunca esquecermos.


Acervo pessoal
1- SE ACHE O MELHOR PROFISSIONAL. E FAÇA POR ONDE SÊ-LO
2- JORNALISTA É JORNALISTA 24 HORAS POR DIA!
3- JORNALISMO COMUNITÁRIO É A BASE
4- INVESTIGAR NÃO É UM VERBO, É UMA FORMA DE VIVER!
5- CHECAR AS FONTES SEMPRE!
6- SÓ ERRA QUEM TENTA
7- FAÇA PORQUE AMA. FAÇA PORQUE GOSTA
8- JORNALISMO ONLINE É O FUTURO.

As experiências que este profissional vivenciou foram muito importantes para o crescimento dele e muito convidativas para nós, aspirantes, que ansiamos pela aventura e pelos serviços prestados pelo jornalismo.
Outro momento muito emocionante foi o assunto "polêmico" a respeito do certificado de jornalismo, o apresentador disse que "para você ser um jornalista tem que sentar a bunda na cadeira da faculdade para aprender muita coisa". É gratificante um estudante ouvir isso de alguém com prestigio, que sabe e entende como é o mercado, que exprime aquilo que precisamos ouvir, aquilo que é preciso ser dito. Não se desmotivem, o diploma é sim necessário e ele tá ai para provar isso.
Foi muito bom e eu espero ter mais chances como esta, claro que além dessas dicas e frases inspiradoras existem várias outras, agora espero que quem quer fazer jornalismo tenha novas perspectivas. E é claro, eu quero trazer muito mais assunto sobre jornalismo para vocês.

12 fevereiro 2016

Para assistir e ler

Olá pessoal!
O Carnaval passou e agora o ano oficialmente começa, algumas pessoas estavam de férias, e outras (eu) nem sabem o que é isso. Sim, eu passei esse tempinho trabalhando, no meu estágio, a única folga que eu tive foi da faculdade, que já está voltando. Se você der uma pequena olhado no blog vai perceber que eu tenho lido algumas coisas, e agora pretendo dar um tempinho nas leituras.
Nessas últimas semanas de férias eu investi tempo em 2 séries e 1 livro para o curso de jornalismo, e é sobre eles que eu vi falar.
Em séries eu gosto das mais descontraídas, com humor, que são mais leves, então eu escolhi duas bem legais, descontraídas e sem muitos dramas. Abaixo eu faço um mixe das coisas que eu assisti e li:

1- DON'T TRUST THE B* IN APARTMENT 23



A série passava no canal ABC e foi cancelada por motivos de "quem cancelou é babaca". Ela passava em 2009 e tinha como protagonistas as atrizes Krysten Ritter (Jessica Jones) e Dreama Walker (Gossip Girl).
June, interpretada por Dreama, vai para Nova York realizar seus sonhos mas tudo dá errado, o tão esperado emprego e apartamento vão por água abaixo, e ela tem que trabalhar em uma cafeteria e morar com Chloe, interpretada por Krys, uma colega de apartamento sem escrúpulos.
A série é bem divertida, a Chloe é a melhor personagem ever, e um ótimo exemplo de como se vestir. Os episódios são bem pequenos e vão até parte da 2° temporada, nem preciso dizer que fiquei chateada com o cancelamento né?

2- Drop Dead Diva/ Sob Medida





















Outra série de 2009, exibida pela Lifetime, no Brasil transmitida pela Sony, protagonizada pelas atrizes Brooke Elliot e Margaret Cho. Foi até a 6° temporada :)
Deb é uma linda aspirante de modelo que morre em um acidente de carro, quando chega aos portões do Céu, descobre que nunca fez nada de bom ou ruim, que sempre foi fútil. Inconformada com a própria morte ela causa uma confusão e volta no corpo de uma inteligentíssima advogada gorda, chamada Jane, que tinha acabado de levar um tiro.
Eu estou amando essa série, a personagem Jane é liinda, uma inspiração, super estilosa e com um jeitinho único. Além de engraçada a série te empolga com as ações judiciais executadas pelos vários advogados da trama. Estou na segunda temporada e não pretendo largar.



3- Livro: A Arte de fazer um jornal diário
Na categoria livro, o último foi de jornalismo, que eu deveria ter lido inteiro no semestre passado mas fui negligente.
Este guia, escrito pelo jornalista Ricardo Noblat ex editor-chefe do Correio Braziliense (um dos melhores jornais de Brasília), tem em suas páginas um conteúdo útil para aqueles que pretendem seguir carreira no jornalismo impresso, ele fala com humor e acidez sobre como é o dia-a-dia nas redações, e fala sobre o jornalismo verdadeiro e ético. Relatando suas experiências nas apurações políticas Noblat norteia nós, os aspirantes, ao melhor caminho de se fazer reportagens e escrever notícias.



4- Já tinha me esquecido de uma leitura inusitada deste mês. Em fevereiro li a minha primeiríssima HQ, que o Edu me emprestou. Vingadores: A Queda, não vou entrar em detalhes porque pretendo fazer uma resenha sobre, posso adiantar que quero ler mais HQs ao longo da minha vida literária.


Segunda volta minhas aulas e já estou me preparando, por isso estou querendo dar um tempinho nas leituras, mas nas séries eu só vou desacelerar. Farei de tudo para continuar atualizando o Let's e trazer mais conteúdos jornalísticos.

01 fevereiro 2016

Mentirosos

ITEM 19-UM LIVRO PARA CHORAR- DESAFIO CRÔNICA SEM EIRA.

Olá queridos leitores
hoje estou aqui para resenhar o livro Mentirosos da autora E.Lockhart, publicado aqui no Brasil pela  Seguinte.
Mentirosos conta a história da lendária família Sinclair, o patriarca avô Harris suas três filhas e seus netos. Essa família sempre foi muito admirada, todos sempre seguem o padrão de brancos, loiros e ricos, e sempre foi muito importante manter esse legado, essa imagem, as tradições, nem que para isso você tenha que ser outra pessoa. O vô e suas filhas são extremamente materialistas, arrogantes e muito ambiciosos. Mas no meio desta família estão os Mentirosos, os 3 netos Johnny, Mirren e Cadence e mais o menino Gat (que não é da família), os Mentirosos só se encontrão nos verões que passam na ilha particular do vô Harris, e no verão dos 15 algo misterioso acontece, Cadence aparentemente sofre um acidente e não se lembra do que aconteceu naquele verão, mas aos poucos ela vai percebendo que aquele acontecimento mudou a família, mudou a ilha, mudou sua vida, foi algo transformador, e algo criminoso.
Não posso contar muito sobre a história, mas tenho muito o que elogiar.
Eu despenquei nesse livro sem saber de nada, nunca li ou vi nenhuma resenha, só sabia que ele estava sendo altamente recomendado, e estava de promoção no Submarino hehehe. E foi muito bom não ter pego nenhum spoiler, nem muitos detalhes.
Este livro realmente é muito especial, e eu notei isso logo nas primeiras páginas. Ele tem umas frases, um jeitinho único de se contar para você, a partir do ponto de vista da protagonista Cadence, você nota o quão essa garota é inteligente e tem uma mente aberta. Ele é quase poético, tem uma fluidez musical, uma mistura de inocência com algum outro ingrediente. Inocente também é o romance de Cady e Gat, muito puro, jovial, é como chuva nos dias de sol.

"Olhamos para o céu. Tantas estrelas. Parecia uma celebração, uma festa grandiosa e proibida que a galáxia fazia depois de colocar os humanos para dormir."

Não estava acontecendo muitas coisas no início e isso não me incomodou, eu estava curtindo cada página dele, admirando cada personagem, cada pensamento, tudo vinha muito fácil. E ai chega o BUM do final. Para mim foi algo inimaginável, eu nunca esperaria o que aconteceu, apesar de a autora ter te dado pequenas pistas, você só junta as peças quando vê o que realmente aconteceu.
Ainda falando sobre a narrativa a E. Lockhart "brinca" com você, utilizando metáforas que você precisa ler, ler de novo, seguir em frente, para saber se aquilo realmente aconteceu. E então você lê um acontecimento, passa direto achando ser mais uma metáfora, e se surpreende.
Mas atenção, uma boa parte das pessoas acharam a narrativa, principalmente o começo, cansativo, chato. Alguns dizem que o final vale muito. Outros que o final é a única coisa "boa". Então cabe a você ler e tirar suas próprias conclusões e formar sua opinião. Recomendo que você não leia aquelas cartilhas do livro, tirou a surpresa para muitas pessoas, na verdade leia o mínimo possível sobre ele, caso você receba algum spoiler eu te garanto que todo o brilho do livro será tirado de você.
Eu espero que, caso você resolva lê-lo, você se divirta formando teorias loucas, e se emocione no final. Mas principalmente que reflita sobre os preconceitos e sobre a ambição que apodreceu e transformou a família Sinclair.
Ele está no item do Desafio, um livro para chorar, porque ele merece e desperta isso em você, mas no momento eu fiquei tão chocada tentando entender que não chorei.
Um grande abraço, boa leitura, e até o nosso próximo papo literário.