slide

24 janeiro 2016

Aprendendo a amar




É belíssimo observarmos as mudanças que ocorrem no coração e na mente de uma menina enquanto ela cresce. É realmente fascinante. Esse crescimento vem todo das experiências que ela vive, ela é moldada pela vida, pelas pessoas que a amam e pelas pessoas que a magoam. Então cada pessoa tem a sua maneira de amar, cada pessoa, em seu mundo particular tem sua própria definição de amor.
Não seria interessante se todos nós juntássemos e mostrássemos, uns aos outros, como nós vemos esse sentimento? Quão diversificado seria!
E se nós parássemos para fazer uma análise das nossas próprias percepções?
O que eu sei sobre o amor? O que eu aprendi sobre ele?
Pensando assim, eu resolvi conversar e reunir com o Eduardo algumas coisas que nós aprendemos ao longo da nossa vida, não só no nosso relacionamento, mas de tudo o que observamos, lemos, ouvimos e tentamos fazer.


  • Quando um completa o outro (SQN)
Eu já ouvi muito essa história de se completar, carne e unha, as metades da laranja, e já cheguei a acreditar muito nisso, mas depois de alguns anos de relacionamento percebemos e aprendemos que não devemos depender, inteiramente,  um do outro, não devemos esperar que o outro nos complete. Parece muito anti romântico né? Mas você já parou para perceber o peso de cobrar isso de alguém? A pressão para ele(a), e o pior, o risco para si mesma? Amar e construir um relacionamento implica os dois lados de uma moeda, pode ser simples como respirar e ao mesmo tempo complexo como física, o que nós queremos que você perceba é que antes de amar alguém você precisa se amar e se completar. O outro vai somar e tornar suas cores ainda mais vibrantes. Seja independente, seja feliz consigo, assim fica mais fácil ser feliz com o outro.



  • Ele(a) pode não ser sua alma gêmea
E está tudo bem sabia? Vocês não precisam ser almas gêmeas, não precisam ser parecido e ter muito em comum. Pode ser difícil quando se convive com alguém diferente de você, e isso não é só no relacionamento amoroso. Ter alguém que goste das mesmas coisas que você deve ser pelo menos mais fácil, mas ter alguém que goste de várias coisas diferentes, tem opiniões diferentes, ponto de vista, visões e tal, é no mínimo uma passagem só de ida para uma mente aberta. Boa parte das coisas que você aprende vem das pessoas ao seu redor, e a sua bagagem cultural também vem delas. Isso quer dizer que ter um relacionamento com alguém diferente é uma aventura, que vai te acrescentar e você também vai acrescentar a essa pessoa. Eu estou constantemente aprendendo com as pessoas da minha convivência, mas só porque somos diferentes uns dos outros.



  • Que seja eterno enquanto dure
Essa é uma das coisas mais importantes que eu aprendi, observando outros relacionamentos, pensando muito e até mesmo lendo. Não importa se o seu namoro durou 3 meses, 1 ano ou 10 anos, ele não foi menos significativo por ter terminado. Só porque terminou não significa que ele não existiu e também não significa que não tenha sido incrível! Que dure uma semana, mas que seja intenso e seja amor. Que termine, mas pelo menos ele existiu. Que deixe cicatrizes, e não um vazio. Não menospreze o relacionamento ou o amor de alguém que tem menos tempo que o seu. Não faz sentido.


  • Pense em dobro
Uma importante observação que o Edu fez foi que quando se está em uma relação a longo prazo você toma as decisões pensando no casal. O individualismo é deixado de lado e você passa a pensar em conjunto, em como aquela decisão vai afetar o seu parceiro, se isso pode acabar magoando ou prejudicando de alguma maneira. Mas eu deixo uma observação para que você nunca deixe de pesar em si mesmo. Pensar em conjunto não quer dizer fazer tudo em função do outro, mas sim ver o que é melhor para ambos. Tedeu?


  • Sentir ciumes é normal... mais ou menos
Sem obsessões, sem exagero, sem chilique, sem querer impor alguma regra, sem querer medir o que o outro faz, diz, olha. Não queremos dizer que ciúmes é bonitinho ou importante, mas apenas que ele possível, bem possivelmente, vai fazer parte da relação e da construção da confiança um pelo outro, a confiança, eu preciso salientar, é um fator muito importante, e passar pelo processo de sentir ciúmes de forma saudável e sempre conversar a respeito, é normal, vai acontecer, basta cada um de vocês desenvolver maturidade e confiança em si e no outro, para ir deixando de lado, aos poucos, esse sentimento.



  • Passe um tempo consigo mesmo
Existem vários tipos de casais, aqueles modernos que se veem de vez em quando, aqueles que brigam o tempo todo mas não conseguem ficar longe um do outro, aqueles de outros países, cidades, estados, aqueles chicletes e vários outros. E existem as fases, aquela que você está tão apegado, que faz mil planos durante a semana só para aproveitar cada momento com a pessoa, e aquela fase em que a rotina complica e vocês se veem cada vez menos. Não importa qual tipo de casal vocês são, e nem qual fase estão, passar um tempo sozinho e aproveitar esses momentos é muito importante! Faça planos para você também, leia, escute música, vá jogar bola, ficar com a família ou amigos, ou só fique olhando pela janela perdida em pensamentos, eu garanto que só traz benefícios, é bom para não perder a própria identidade, é bom para evoluir, e é bom para a relação. Afinal sobre o que vocês vão conversar se estão o tempo todo juntos?

Essas coisas que citamos aqui, juntas formam uma definição de amor nossa, a sua pode ser completamente diferente, e não quer dizer que a minha ou a sua estão erradas, quer dizer que os caminhos e as pessoas nos mudaram de uma forma única, só nossa, quer dizer que eu tenho uma história diferente da sua e isso torna tudo mais divertido.


Nenhum comentário:

Postar um comentário