slide

31 dezembro 2015

Minha percepção sobre A Lista Negra

imagem tirada da internet
ITEM 2 DO DESAFIO CRÔNICA SEM EIRA-UM LIVRO COM MENOS DE 300 PÁGINAS
Valerie é uma adolescente que sofre bullying na escola, suas roupas pretas, sua maquiagem pesada, seu isolamento, essas coisas são o suficiente para atrair a atenção negativa de seus colegas que lhe colocam apelidos e quebram suas coisas, a situação conturbada com seus pais também é um fator com que ela tem que lidar, mas Val não se sente tão sozinha e incompreendida com seu namorado Nick que passa pelas mesmas coisas que ela. Para aliviar o peso e a raiva das ofensas que ouve todos os dias ela começa uma Lista com o nome das pessoas que a maltratam e das coisas que a incomoda, professores, alunos, celebridades, jogadas de cabelos entre outras coisas estão na Lista, e depois a compartilhou com Nick. Para ela era só uma brincadeira, algo para aliviar, mas para seu namorado significou o fim. O garoto pegou uma arma, entrou na escola e tentou matar todos que estava na Lista, até que Valerie para o tiroteio entrando na frente de uma das alunas, é baleada e Nick se mata. (NADA DISSO É SPOILER)
Essa é uma daquelas resenhas difíceis de se escrever. Primeiro quero dizer que foi uma montanha russa de sentimentos e confusões. Sim, eu fiquei bastante confusa ao longo da leitura, principalmente meu julgamento sobre as pessoas e suas atitudes, mas vou tentar externar tudo o que eu penso sobre.
Eu e várias outras pessoas chegamos até A Lista Negra através da Pam Gonçalves que fez uma resenha bem emocionada e menciona bastante a história em seus vídeos,
além dela, para vir aqui conversar com vocês sobre esse assunto eu pesquisei em alguns blogs para me ajudar a organizar os pensamentos. O que eu pude perceber é que cada um tira dessa história algo diferente mesmo sendo um assunto "óbvio". Para alguém ele fala sobre imperfeições, para um outro alguém é sobre superação, outra pessoa aponta o bullying, e eu me surpreendi ao chegar na metade e ver que além disso tudo ele significou, para mim, consequências. Eu me peguei pensando muito nessa palavra enquanto o lia, e em como a vida de Valerie e de muitas outras famílias mudou por algo que se você pensar bem não passa de algo bobo, e foi assim que eu percebi o quanto estamos sujeitos a passar por isso, exatamente dessa forma trágica e exatamente por algo banal. Eu ficava pensando nas coisas que eu já fiz, nos erros que já cometi, coisas bestas, mas em como poderiam ter sido evitado com um pouco de percepção da minha parte. Resumindo você se coloca no lugar da protagonista e percebe que você em algum momento poderia ter feito algo que não pareceu tão importante na hora mas que acaba se tornando uma tempestade.
Eu pensei muito na minha família, e na família de Valerie, foi outra coisa curiosa que o livro me despertou, em como a nossa família é afetada por nossas escolhas.
Primeiro eu não sabia se odiava Nick pelo que ele fez, é tão fácil você atribui qualquer sentimento desagradável à alguém que tirou tantas vidas e destruiu tantas outras, mas é difícil você sentir isso por alguém quando você lê sobre como ele era carinhoso, romântico e gentil. E tem a Valerie que de início você acha completamente injusto algumas pessoas culpá-la mas ao longo da história você vê que é fácil chamá-la de cúmplice pelas idiotices que ela fez, mas ao mesmo tempo, eram só idiotices adolescentes. Viu por quê fiquei confusa?
Os pais de Valerie foi outro fator muito importante na história, lembra que falei em família ali em cima, foi algo muito chamativo para mim. Esse foi o ápice realístico da história. É aqui que você enxerga a imperfeição das pessoas. É de se esperar que os pais da protagonista ficassem ao seu lado e a apoiassem, ajudassem mas na verdade eles a culpam, principalmente seu pai que age de uma forma que me partiu o coração, a mãe dela no final a ama e a protege, apesar de proteger o mundo dela também.
Durante a leitura eu me peguei pensando na gravidade das coisas, eu fiquei até um pouco assustada ao perceber que as ofensas que esses jovens sofriam não eram dignas de tanto alarde, muito menos de um massacre, não é uma conclusão nobre de se chegar, mas estou aqui para ser sincera.
O livro é muito disso, reflexão, percepção, pontos de vista, dos leitores e dos personagens, é também sobre superar traumas e redescobrir quem você é no meio do caos. É sobre se perder, sobre querer se achar em alguém, é sobre se colocar no lugar das pessoas, é sobre perdão e sobre coisas que não merecem perdão, no fim é sobre pessoas reais.
A Lista Negra tem uma boa narrativa, é fácil e rápido de ler seus capítulos curtinhos, e o mais legal é participar do amadurecimento exponencial de Val ao longo da história.
Foi um bom livro, foi uma leitura importante, mas eu tenho que admitir que minhas expectativas estava muito altas e talvez eu tenha me decepcionado um pouco com o início, do meio pro final foi bem emocionante, mas eu esperava uma carga emocional muito maior em cima da tragédia e da saga de Val na ala psiquiátrica, também gostei muito de ter conhecido mais sobre as vítimas da tragédia.
É isso pessoal, espero que tenham gostado, aproveitem o ano novo e as férias, até nosso próximo papo literário.

30 dezembro 2015

Metas literárias

Olá queridos leitores.
Ainda em clima de fim de ano, depois de escrever um post sobre não querer fazer metas-leia aqui- eu venho trazer as metas que eu realmente quero cumprir. Confuso né. Só que isso irá se aplicar a livros, e mais nada.
Eu tenho uma raiva imensa de não conseguir completar as sagas de livros que eu começo, tenho tentado evitar continuações justamente por isso, então 2016 não irei comprar duologias, trilogias e etc, até terminar minhas pendências que ao meu ver são muitas, quer ver?
Esta é a minha lista de séries para terminar em 2016 por ordem de "estou agoniada para terminar isso logo"

Série Fallen.
Sim eu estou louca para terminar logo essa série e não é porque estou gostando, o motivo é que eu simplesmente preciso acabar logo com isso, e o único que falta é Êxtase! Ufa, ainda bem que é só um! Ela consiste em: Fallen,Tormenta, Paixão e Êxtase



Série Hush Hush
Eu gosto dessa série, o primeiro foi meu favorito, mas ela acabou decaindo e me interessei por outros livros, deixando ela de lado, por isso ainda faltam Silence e Finale. Hush Hush é composto por: Sussurro, Crescendo, Silence e Finale.



Trilogia As Peças Infernais
Que eu gosto desses livros não é nenhuma novidade né e apesar de ter lido alguns spoilers acidentalmente estou ansiosa pelo último livro dessa trilogia arrasadora. Felizmente só falta Princesa Mecânica. As Peças Infernais é composto por: Anjo Mecânico, Príncipe Mecânico e Princesa Mecânica.




Trilogia Mara Dyer
É uma trilogia que me deixou bem curiosa para saber se haverá amadurecimento de história e personagens, minhas expectativas estão altas, e ainda faltam A Evolução de Mara Dyer e a Vingança de Mara Dyer. Composto por: A Desconstrução de  Mara Dyer, A Evolução " e a Vingança ".



Trilogia Feita de Fumaça e Ossos
Até onde eu sei é uma trilogia, eu não menciono ela aqui no blog porque já faz um tempão que eu li e não me lembro de muita coisa, só sei que quando terminei estava louca pela continuação, esse ano eu completo com Dias de Sangue e Estrelas e Sonhos com Deuses e Monstros.




Série Ecos da Morte
Já faz anos que li, e eu adorei, é tão diferente, infelizmente nunca fiz resenha e acho que não pretendo, mas uma coisa é certa (se é que tem algo certo) eu vou completar lendo Silencio dos Mortos e o Último Eco. Essa série é composta por Ecos da Morte, Desejo dos Mortos, o Silêncio dos Mortos e o Último Eco.




Bom essas são as minhas prioridades, mas ainda tem Acampamento Shadowfalls que eu li só o primeiro e é composto por Nascida a Meia Noite, Desperta ao Amanhecer, Levada ao Entardecer, Sussurro ao Luar e Escolhida ao amanhecer. E se um dia eu tiver tempo e dinheiro quem sabe não leio os outro 10 livros da séria O Diário da Princesa?!





Algumas dessas séries tem resenha pronta ok?
Fallen
Anjo Mecânico
Príncipe Mecânico
Mara Dyer
O Diário da Princesa

Nossa, é muita coisa para terminar, vou precisar de tempo, dinheiro e sorte, espero pelo menos terminar as que faltam um ou dois livros. E vocês? Quais as série/trilogias/sagas whatever vocês precisam terminar? Me contem aqui nos comentários!
Um feliz ano novo e até o nosso próximo papo literário!

26 dezembro 2015

Metas para 2016




Dezembro,
este é um mês bem interessante, ele exala uma áurea geral nas pessoas, são tantos pensamentos reflexivos, sobre tudo o que você fez, tudo o que deixou de fazer, e o que ainda quer fazer.
Talvez tenha sido mesmo um ano bem difícil, fui bastante testada, e confesso que cheguei até aqui meio acabada, cansada, um pouco desanimada, nem tenho mais aquela euforia de esperar pela comilança da ceia e a hora de abrir os presentes. Sinto que minha vontade é mesmo de chegar 2016 e magicamente apertar o botão de recomeçar e esperar que minhas energias se renovem, junto com meu entusiamos e minha vontade de fazer coisas novas e loucas.
Mas não posso deixar de enxergar tudo o que mudou, como aos poucos eu me conheço, enxergo meus erros, me aceito mais, tento ter mais paciência e ser mais paciente. Talvez o mais positivo seja reconhecer o que eu faço de errado para tentar acertar em 2016. Como ter enxergado nesse exato momento que eu tenho que parar de ser reclamona e ser mais carinhosa.
Eu não vou fazer resoluções para 2016, não vou estabelecer metas de malhar, mudar de emprego, fazer novos amigos, escrever mais no blog, e sair para passear mais vezes com os cachorros. Eu quero deixar as coisas rolarem, para ver como eu e o destino nos relacionamos, e trabalhamos em equipe. O que eu realmente quero é continuar me descobrindo, isso conta como meta? Não sei.
Nesse ano novo não quero me preocupar com o que eu não fiz, nem com o que eu devo fazer, esse réveillon eu vou por um vestido branco bem bonito, beber quantas taças de champanhe eu conseguir, rir e chorar (sempre choro), aproveitar aquela virada como se fosse um renascimento e ter esperanças que 2016 me ensine muito, mas que também me traga muita felicidade.
E você, quais as suas metas para 2016?

04 dezembro 2015

Draco na CCXP 2015



Olá querido leitores,
tem muita gente ansiosa pela Comic Con Expirience de São Paulo, né? Vocês não imaginam o quanto eu gostaria de estar lá e conheço uma boa galera aqui de Brasília que daria um rim para ir também. Para você que é sortudo e faz questão de marcar presença, além de vir aqui desejar uma experiência inesquecível eu venho dar um recadinho. A Dracco vai estar lá te esperando cheia de novidades na estande 120, descontos, marcadores, autógrafos e muito mais.

Olha só as atividades:

Quinta-feira, dia 3/12
15h – Sessão de autógrafos com Guilherme Dei Svaldi, editor-chefe da Jambô e autor do livro-jogo Ataque a Khalifor.
16h – Sessão de autógrafos com Raphael Salimena, autor de Argos.
17h – Sessão de autógrafos de 
Zikas, com Raphael Fernandes e Junior Ferreira.
18h – Sessão de autógrafos com Kaji Pato, autor de Quack.



Sexta-feira, dia 4/12
11h – Sessão de autógrafos com Karen Alvares, autora de Inverso.
16h – Sessão de autógrafos com Alessio Esteves, de Zikas.
17h – Sessão de autógrafos de O Rei Amarelo em Quadrinhos, com André Freitas,Lucas Chewie, Rafael Levi, Erik Avilez, Tiago Zanetic, Maurício Campos,Pedro Pedrada, Victor Freundt e Péricles Ianuch.
18h – Lançamento do romance Espada da Galáxia, com sessão de autógrafos do autorMarcelo Cassaro.




Sábado, dia 5/12
13h30 – Palestra Mangá no Brasil (no Prime Hall).
16h – Sessão de autógrafos com Raphael Salimena, autor de Argos.
16h30 – Palestra RPG no Brasil – Passado, Presente e Futuro (no Prime Hall).
17h – Sessão de autógrafos com Raphael Fernandes, editor da Draco e autor da HQ Apagão e Airton Marinho, autor de Cabra d’água – Terra sitiada.
18h – Sessão de autógrafos com Rogerio Saladino, J.M. Trevisan e Marcelo Cassaro, cocriadores do universo de Tormenta; e Erica Awano, desenhista do mangáHoly Avenger e convidada oficial da CCXP.


Mais informações: Draco

#VaiSerEpico
Então é isso, recado dado, to morrendo de inveja, mas quero que se divirtam viu?
Beijos e até o nosso próximo papo literário.

03 dezembro 2015

Amiga, precisamos conversar sobre GAROTAS DE VIDRO!

ITEM 20- UM LIVRO QUE SE PASSA NO INVERNO- DESAFIO CRÔNICA SEM EIRA


ESTÚPIDA/FEIA/ESTÚPIDA/VACA/ESTÚPIDA/GORDA/ESTÚPIDA/CRIANÇONA/ESTÚPIA


PERDEDORA

...

ESTÚPIDA

...

PERDIDA

...

"A verdade nem sempre é o que enxergamos"




Eu acabei de ler Garotas de Vidro, sim faz uns 25 minutos. São 8:44 da manhã e eu cheguei à última página  na poltrona do meu serviço antes que a hora de bater o ponto chegasse. Eu não ligo se não é dia de postar resenha aqui no Let's talk, porque acho que o que eu estou sentindo é muito mais importante. Estou finalizando essa resenha com o estômago estranho, e internamente estou agitada, minhas pernas estão bambas e meus olhos cheios de água. Não acho um exemplo para externar o que estou sentindo, talvez algo como quando você está se apaixonando, ou com muito medo, ou muito ansiosa, talvez excitada- não daquela forma maliciosa- ou quando você está muito orgulhosa de ter finalmente enfrentado seus maiores medos.

Não quero afugentar ninguém com minha resenha, mas vou ser o mais sincera possível.


Lia tem 18 anos e acaba de perder a melhor amiga dela, a Cassie. Ela morreu sozinha em um quarto de motel e antes de morrer ela ligou 33 vezes para a amiga que não retornou por causa de uma briga delas.
As amigas estavam separadas porque Cassie tentava se recuperar de  bulimia e a Lia era um "mal exemplo".
Agora Lia vê o fantasma da amiga e se culpa pela morte dela. A história já seria bem trágica por conta dessa perda precoce se não fosse pela anorexia que Lia tem de alguns anos. Além da anorexia ela se corta, e ainda precisa contornar os cuidados e a vigilância dos pais e de sua madrasta depois de sair de uma internação por conta da doença. Assim o livro não é só trágico ele é devastador.



 Por um lado eu diria que foi-até agora- minha melhor escolha para o desafio literário (e que desafio), por outro lado eu digo que foi um tanto quanto dolorosa essa leitura. Se arrastar pelo mundo, pelos pensamentos, da personagem principal foi desorientador, confuso e horrivelmente familiar. Você entra de corpo e alma no mundo de alguém com  distúrbio alimentar em fase avançada. E toda a rotina daquela pessoa gira em torno das contagens de calorias de um alimento, de enganar os pais para continuar a não se alimentar, e se autodepreciar.

" Mostrei a ela como andava fazendo cortes pequenos na pele para deixar a maldade e a dor escorrerem..A dor dos cortes tinha um sabor diferente. E ajudava a pensar sobre como meu corpo, minha família e minha vida tinham sido roubados de mim, ajudava a não me importar..."



Depois que vi a resenha no canal da Pam Gonçalves eu não entendi bem porque eu precisava ler algo tão pesado, mas eu percebi que eu precisava sair do torpor, eu precisava entender, eu precisava me identificar, eu precisava sofrer. É como alguém que faz automutilação para poder se sentir viva, eu tinha que sentir o peso e saber as razões de alguém fazer algo tão maléfico a si mesmo, porque ao entrar nos pensamentos de Lia e ver no que a vida dela se transformou eu tinha que ver no que EU estava me tornando. Enquanto a protagonista via o fantasma da melhor amiga eu via os fantasmas do meu passado, é como se esses anos eu estivesse com a visão embaçada, e agora eu vejo minhas cicatrizes internas, quase sumidas.
O livro é cruel, é toxicante, é difícil, é arrasador, é como estar em um quarto escuro e aos poucos, enquanto as luzes se acendem você enxerga os monstros à espreita e não faz ideia do que eles possam fazer com você.
E se você está se perguntando o que eu pude extrair de bom dessa leitura eu te digo: empatia e compreensão. Por mim e pela Lia. Eu um dia pensei que as meninas que fazem tudo isso consigo mesmas eram superficiais. E apesar de ter aposentado esses meus pensamentos equivocados eu tive que entrar mais profundamente nesse mundo.

Garotas de vidro foi o livro que me despiu. Tire você também, tire essa maquiagem, tire essa química do cabelo, tire esses enfeites, tire essa roupa bonita. Dê uma boa olhada no espelho. Diga a si mesma que é bonita. Respire bem fundo. Afaste os objetos cortantes. E leia Garotas de Vidro.