Pular para o conteúdo principal

O QUE EU DEVERIA TER ESCRITO: "A Katniss somos nós — análise de personagem"




Olá querido leitores,
o assunto de hoje ainda gira em torno de Jogos Vorazes, e porque não? Afinal, ainda tem filme para lançar, ainda tem gente para recrutarmos para o Clâ obsessivo de fãs, e ainda ta na boca do povo.
Encontrei esse texto na internet e ao lê-lo sinto que falhei com vocês no quesito resenha, sinto que deveria ter feito diferente, ter deixado a ansiedade de lado e ter sido mais clara, mais detalhista e menos baba ovo da trilogia. Encontre em linhas que mais parecem notas musicais para o meu eu critico, tudo o que deveria ter lhes escrito. Por tanto eu não poderia falhar mais uma vez com vocês e deixar de compartilhar aqui o texto, não é mesmo?!
Então aproveitem e de nada ;)


"Toda vez que um livro é levado ao cinema ou à TV, muito se perde. Dizer que “o livro é melhor que o filme” é, quase sempre, frisar o óbvio. A complexidade das tramas, a profundidade dos personagens e a profusão de detalhes é resumida ao máximo para caber na tela. Mesmo assim, magicamente, temos não só produções grandiosas como também excelentes roteiros, que, em mídia diferente, nada devem às obras originais.
Tá aí Jogos Vorazes, que não me deixa mentir. Dia 19 de novembro estreia nos cinemas A Esperança — O Final, quarta parte da série de filmes inspirada nos livros da trilogia homônima de Suzanne Collins.
De acordo com a vlogueira Pam Gonçalves, cuja monografia em Publicidade e Propaganda foi sobre a representação do feminino no primeiro filme de Jogos, esta é é “uma das melhores adaptações de livros para o cinema“. Vi os filmes, li a trilogia e tenho que concordar com ela. As modificações necessárias não chegaram a prejudicar a trama, embora os livros nos falem muito mais de representação feminina que a versão cinematográfica, pois além da protagonista há outras ótimas personagens que não tiveram tanta vez (e voz) nas telas.
Mas, Mila… meio mundo já falou de Jogos Vorazes! Que é da hora, que é uma baita crítica social, que é girl power, que a personagem é foda, ou não é tão foda assim, blablablá. O que você ainda acha que tem a dizer?
O que quero dizer é como Katniss Everdeen se destaca entre as personagens femininas do mainstream, principalmente nos livros (lembrem-se, esta é uma coluna de literatura!).
Há quem alegue que Katniss não é assim tão girl power, pois ela é simplesmente uma garota durona que se sobressai em atividades violentas — quase um personagem masculino clássico de saias (no caso, de trança), e que é muito fácil criar uma “personagem feminina forte” recorrendo a esse tipo de característica.
Embora respeite o ponto de vista, discordo da análise no caso desta personagem. Primeiro, porque Katniss não é durona para ser desejável aos olhos de um personagem central masculino ou do público masculino, para quem, muitas vezes, a mulher ideal da ficção é durona, sim, mas nunca mais do que o homem: ela ainda precisará ser salva por ele, ou conquistada por ele, ou sacrificada por ele, que é o dono da história. Katniss não está aqui para agradar. Ela não é a única mina no meio de um monte de caras, tentando provar que é tão forte quanto eles. É a mina durona entre gente de todo tipo, inclusive outras mulheres incríveis e perigosas. E é a protagonista, não o interesse romântico de um personagem mais importante. Ela encontra o amor romântico, sim, mas não está à procura dele, nem viverá em função dele. Lembrando que o amor tem muitas faces, o único amor constante de Katniss é pela irmã, por quem ela topa qualquer coisa. Katniss é dura porque a vida a obrigou a isso.
No cinema, sua realidade é difícil, mas amenizada em comparação com o que ela vive nos livros. Perdem-se os detalhes desesperadores na descrição das pessoas que literalmente morrem de fome no paupérrimo Distrito 12, onde ela vive, e da penúria à qual sua família é entregue após a morte do pai. Morre o pai, a mãe entra em depressão profunda e a filha mais velha, de 11 anos, é forçada a ser a adulta da casa. Ela assume o sustento da família, garantindo a sobrevivência da mãe, da irmãzinha Primrose e do gato Buttercup.
Segundo, é uma ótima personagem justamente porque é difícil gostar dela como pessoa, mas é ainda mais difícil não entendê-la ao longo da trama. E é essa compreensão que a completa e a aproxima de nós.
Katniss não pode ter pena de bicho, pois vive da caça. Katniss tenta matar o gato da irmã porque é mais uma boca para alimentar numa vida já miserável (ainda não sei se a perdoei por isso). Não confia nas pessoas, porque aqueles que deveriam zelar por ela fracassaram — o pai morreu e a mãe não conseguiu cuidar das filhas. Aliás, guarda imensa mágoa da mãe, que, a seus olhos, a abandonou — em suas palavras, “não sou do tipo que perdoa”. Katniss é cheia de brios. Detesta dever favores, detesta que tentem protegê-la, que lhe estendam a mão sem querer nada em troca. Não suporta falar de roupas e garotos, odeia ser o centro das atenções e ter conversas sem objetivo claro. Não gosta de fazer amigos. Enfim, detesta quase tudo o que caracteriza as interações sociais de praxe. É desconfiada, antissocial e rancorosa.
Mas, ao longo da sua história muito sangrenta, descobrimos também que, láááá no fundo, ela tem um bom coração. Ela o revela quando desafia as regras para proteger os mais fracos, quando escolhe a dedo aqueles a quem vai amar e ser ferozmente fiel. A narrativa em primeira pessoa nos permite acompanhar cada um de seus pensamentos e emoções, e mostra que, longe de ser valente e inabalável, ela sente medo o tempo todo, por si e por aqueles que ama. Sua grande coragem reside no fato de saber que não pode fugir à vida que lhe empurraram. O que pode fazer é enfrentá-la — com todas as armas que tem — e vencê-la.
E não é isso que nós, mulheres, fazemos todo dia?"
FONTES: SITE


Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Uma curiosidade sobre o jornalismo: mascote

Olá queridos leitores,
hoje eu vim aqui trazer para vocês uma curiosidade do jornalismo. É algo que eu descobri recentemente, achei interessante, e vim compartilhar.
Você sabe qual é o mascote que representa o seu curso? Ou o símbolo dele? Não? Não acha que seja algo relevante?
Pois saiba que na sua formatura, o(a) organizador(a) do evento terá a obrigação de saber para inserir na cerimônia, além disso o mascote ou o símbolo pode ter uma grande carga moral e ética que resume bem a sua futura profissão ou o perfil adequado, e lhe servirá de guia em sua jornada. Como exemplo eu trouxe os símbolos ou mascotes do jornalismo:
Foca: a foca é destinada a representar os recém formados (novatos) ou que estão prestes a entrar no curso, representa aqueles com pouco ou nenhuma experiência, a foca é considerada um animal curioso e observa tudo ao redor, pois é algo novo para ele, além disso ela demonstra determinação. Há aqueles jornalistas que não gostam muito dessa representatividade.



Raposa: ah…

Como transformar seu dia

Ela acorda pela manhã às 6:00, não dá tempo de colocar aqueles 5 minutos a mais no despertador, é preciso correr e se arrumar, mal da tempo de assimilar as coisas ao seu redor, ou de espantar o sono. Nessa fração de segundo, entre chutar o edredom e pisar na cerâmica gelada, o pensamento de desistir do seu dia assola sua mente, será que se faltasse do serviço só por hoje seria demitida? Por que ela não podia se permitir ser mais irresponsável? Tão rápido quanto veio o pensamento se dissipa, onde já se viu? A dificuldade 2x pior na vida de outras pessoas, os planos para o futuro, aqueles que dependem dela e até o mimo no fim do mês são desculpas suficiente para seguir em frente.
Seu dia começou.
Novamente.
Mais doses daquela rotina construída.
Seu dia tem tudo para ser como todos os outros.
Ela entra no metrô, abre um livro e se perde na rotina de outra pessoa, cavalga suavemente nas palavras que descrevem uma vida que não é sua. O fato de estar em pé e ter que ficar com o braço levan…

Playletras da superação

Olá queridos leitores. Já fazia um tempão que eu não fazia Playletras né? Para compensar eu trouxe uma lista com um propósito nobre. No playletras de hoje eu quero pedir que você baixe essas músicas, pode ser no celular ou no computador, de preferência quando estiver sozinho, escute em volume alto e preste atenção na letra. Deixe sua mente vagar pela mensagem porque as canções de hoje foram feitas e selecionada para ajudar você a superar, seja um término, seja pessoas ruins na sua vida, escolhas ruins ou erros que você não consegue deixar para traz, essas bandas de rock querem te incentivar a seguir em frente, então aperte o play and move on!
1° Pitty- Serpente A baiana Pitty é aquela melhor amiga que te manda a real! Ela vai te dizer o que você precisa escutar não o que você quer. Recentemente ela passou por uma fase bem difícil mas transformou essas experiências em um álbum de superação, a melodia é cheia de instrumentos diferentes que nos embalam em uma leve alegria e ainda remete…