slide

05 outubro 2015

As Peças Infernais: Príncipe Mecânico

Olá querido leitores
esta provavelmente será a primeira resenha do Projeto Literário Crônica Sem Eira, e este livro atende a várias das pretensões, mas vou me utilizar só de uma, um livro que seja spin off.
Príncipe Mecânico é a continuação de Anjo Mecânico que eu já resenhei , segundo livro da trilogia As Peças Infernais. É da autora Cassandra Clare, editora Galera Records.



Nesta continuação os Nephilim do Instituto de Londres vivem um problema que só cresce e se torna cada vez mais incomodo. Eles precisam mais do que nunca capturar o Magistrado, que por sede de vingança quer destruir a raça dos Caçadores de Sombras e tomar Tessa como sua esposa. Mas o vilão se mostra muito influente e inteligente, sempre a um passo a frente dos Caçadores.
Na jornada para descobrir mais informações sobre o Magistrado os Nephilim se veem cercado de traidores, Caçadores de Sombras e integrantes do Submundo são corrompidos, fica difícil confiar em qualquer um e eles precisam ser inteligentes e estratégicos para não caírem nas diversas armadilhas.
Tessa Gray que agora é parte da família, descobre mais segredos sobre sua origem, claro que não desvendamos  muito e isso me deixa ansiosa, ela ainda é um mistério, além disso ela se vê dentro de uma drama amoroso que acaba partindo seu coração em muitos pedaço.
Lembram que eu tinha mencionado um possível triângulo amoroso e que isso me assustava, eu detesto triângulos amorosos, mas esse romance entre Tessa, Jem e Will me deixou muito dividida e angustiada, eu senti a dor da escolha e o fardo que a protagonista carregava. É como se eu mesma sentisse o amor pelos dois protagonistas. Jem é tão gentil, doce, educado, amável, cavalheiro, carinhoso, toca violino como ninguém (foi o que me contaram) e ama muito ela. Will tem intensidade, tem chamas, tem força, tem paixão, é afiado, sarcástico, amante de livros, está disposto a proteger todos que ele ama custe o que custar e também ama muito Tessa. Difícil né?
Apesar de minha empatia pelas dificuldades que Tessa enfrentou, eu senti muita irritação por ela em alguns momentos, achei que ela deveria ter sido mais treinada e se mostrar uma personagem mais forte e capaz.
O passado de Will também é revelado, acabei sentindo muita pena dele, e ele consegue se livrar de um fardo que o tornava aquela pessoa amarga e distante, e passa a ser o Will gentil, doce e afiado.
Os outros personagens se desenvolvem e desenvolvem seus problemas, deixando para o próximo livro o desenrolar da trama voltado para o Magistrado.
Conclui-se com isso que o Príncipe Mecânico foi muito mais sobre os personagens  do que sobre o futuro da história. Composto por romance, ação e lágrimas.
É isso pessoal, espero que tenham gostado da primeira resenha dentro do desafio, fiquem atentos que a qualquer momento pode sair o próximo. Um beijo e até o nosso próximo papo literário.

3 comentários:

  1. Me confunde você não gostar de triângulos amorosos, fiquei curiosa: como se sente com relação a saga Crepúsculo que você já assumiu gostar tanto (sei que a história já foi finalizada mas isso te incomodou na época? eu sempre achei o amor do Jacob fofinho e partia meu coração quando Bella deixava ele...)?
    Gosto quando as sagas/séries param um pouco mais nos personagens pra que a gente entenda a história deles e isso quase sempre explica o temperamento atual que eles demostram, mas confesso que não tenho muita paciência, quero logo saber como vai se desenrolar a história... ahahah, aloka bipolar!

    Ótima resenha, como sempre me deixando em situações difíceis (saudades de uma história com Nefilins)...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Oi Dri, pois é, como eu disse em algum post espalhado aqui no Let's, Crepúsculo foi o estopim para me traumatizar com relação a triângulos amorosos. Na época eu levava numa boa, mas o segredo é que eu já tinha escolhido quem era meu preferido, logo para mim a Bella deveria ficar com aquele que eu escolhi e ponto! Quando chegamos em Amanhecer descobrimos o porque Jacob tem aquele ligação, aquela conexão com ela, apesar de que não podemos ignorar o fato de que ela foi a primeira paixão dele, mas era algo muito maior que ligava os dois, lembra o que é?
    Já em Príncipe Mecânico eu não consigo escolher! É muito mais difícil, quase angustiante.
    Eu assim como você prefiro que a história se desenrole, mas aqui não foi ruim esse enfoque nos personagens porque são muitos segredos, assim você fica em uma montanha russa de emoções que só sobe...

    Obrigada.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Sim sim, mas acho que é em Eclipse, quando o livro traz a visão de Jake, que tomo mais partido do sentimento dele. Mesmo quando a história explica o motivo da ligação continuo com a mesma sensação de que ele que deveria ficar com ela :/ Deve ser pq preferia que eles terminassem juntos...

    ResponderExcluir