Pular para o conteúdo principal

Cidades de Papel


Minha segunda leitura dedicada a John Green deste ano é Cidades de Papel. O livro conta a história de Quentin, um adolescente que adora sua entediante rotina, ver os amigos, contar os minutos na aula de calculo e jogar vídeo game, até que Margo Roth Spiegelman volta a sua vida.
Quentin sempre fora apaixonada por sua vizinha que o ignorava, até que Margo aparece em sua janela o escolhendo para uma longa noite de aventuras e trotes. Quando o sol nasce ele não sabe o que o esperar, mas com certeza não é a quantidade de enigmas e mistérios que o encaminha para descobertas sobre si e sobre a garota que ele acha que conhece.
Eu acabei de ler o meu Paper Town da editora Intríseca, e me senti muito empolgada para contar à vocês o que eu achei dele.Eu mergulhei nessa história, me envolvi emocionalmente com o mistério e as pistas e tentava imaginar o que havia acontecido.

Quando penso a respeito eu só consigo dizer que foi genial, mas é aos poucos, ele te cativa lentamente, te apresenta às metáforas e te leva para as profundezas da vida.
Consigo juntar mais algumas semelhanças entre os romances de John, entre eles estão: geralmente os personagens principais entram em situações que os fazem se descobrir, tem aventura e muitas lições profundas de vida.Parei e me perguntei porque John Verde é considerado o escritor mais badalado entre os jovens, já que seus livros, para mim são de uma imensa sabedoria.
Não quero que minha empolgação de ler um livro muito bom interfira na minha intenção de escrever uma crítica objetiva para vocês. Então recapitulando, o livro é incrível, para mim o livro mais profundo de Green, ele fala de descobertas, de tentar entender as pessoas como elas realmente são e não o que queremos que elas sejam, de ir em busca, não de algo específico mas simplesmente sair em busca.
Mostra que Quentin descobre que no final, se as coisas não forem como ele imaginou, ele pode ser feliz com o que ele descobriu em sua jornada. E o final? Eu posso dizer com convicção que não mudaria nada, pode não ser o conto de fadas feliz mas nosso querido John Green nos ensinou que a felicidade é mais pura e mais dolorida.
Espero que vocês se envolvam tanto quanto em Cidades de Papel, e deixe nos comentários, você se considera uma pessoa de papel?
Ah e Cidades de Papel está sendo adaptado para filme este ano, o elenco já está trabalhando e o autor da obra acompanha de perto com empolgação, não consegui uma data certa para vocês mas provavelmente sairá em junho ou julho de 2015, quando a estréia for confirmada faço um post para vocês. Beijos e até o próximo papo literário.



Comentários

  1. Oiii, marquei você pra responder a TAG!
    Dá uma passadinha lá no blog pra ver como funciona!
    http://braincandybc.blogspot.com.br/2015/01/tag-liebster-award-2015.html#more
    Estou doido pra ler Ciades de Papel!
    Abraços!
    Gabriel

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Uma curiosidade sobre o jornalismo: mascote

Olá queridos leitores,
hoje eu vim aqui trazer para vocês uma curiosidade do jornalismo. É algo que eu descobri recentemente, achei interessante, e vim compartilhar.
Você sabe qual é o mascote que representa o seu curso? Ou o símbolo dele? Não? Não acha que seja algo relevante?
Pois saiba que na sua formatura, o(a) organizador(a) do evento terá a obrigação de saber para inserir na cerimônia, além disso o mascote ou o símbolo pode ter uma grande carga moral e ética que resume bem a sua futura profissão ou o perfil adequado, e lhe servirá de guia em sua jornada. Como exemplo eu trouxe os símbolos ou mascotes do jornalismo:
Foca: a foca é destinada a representar os recém formados (novatos) ou que estão prestes a entrar no curso, representa aqueles com pouco ou nenhuma experiência, a foca é considerada um animal curioso e observa tudo ao redor, pois é algo novo para ele, além disso ela demonstra determinação. Há aqueles jornalistas que não gostam muito dessa representatividade.



Raposa: ah…

Como transformar seu dia

Ela acorda pela manhã às 6:00, não dá tempo de colocar aqueles 5 minutos a mais no despertador, é preciso correr e se arrumar, mal da tempo de assimilar as coisas ao seu redor, ou de espantar o sono. Nessa fração de segundo, entre chutar o edredom e pisar na cerâmica gelada, o pensamento de desistir do seu dia assola sua mente, será que se faltasse do serviço só por hoje seria demitida? Por que ela não podia se permitir ser mais irresponsável? Tão rápido quanto veio o pensamento se dissipa, onde já se viu? A dificuldade 2x pior na vida de outras pessoas, os planos para o futuro, aqueles que dependem dela e até o mimo no fim do mês são desculpas suficiente para seguir em frente.
Seu dia começou.
Novamente.
Mais doses daquela rotina construída.
Seu dia tem tudo para ser como todos os outros.
Ela entra no metrô, abre um livro e se perde na rotina de outra pessoa, cavalga suavemente nas palavras que descrevem uma vida que não é sua. O fato de estar em pé e ter que ficar com o braço levan…

Playletras da superação

Olá queridos leitores. Já fazia um tempão que eu não fazia Playletras né? Para compensar eu trouxe uma lista com um propósito nobre. No playletras de hoje eu quero pedir que você baixe essas músicas, pode ser no celular ou no computador, de preferência quando estiver sozinho, escute em volume alto e preste atenção na letra. Deixe sua mente vagar pela mensagem porque as canções de hoje foram feitas e selecionada para ajudar você a superar, seja um término, seja pessoas ruins na sua vida, escolhas ruins ou erros que você não consegue deixar para traz, essas bandas de rock querem te incentivar a seguir em frente, então aperte o play and move on!
1° Pitty- Serpente A baiana Pitty é aquela melhor amiga que te manda a real! Ela vai te dizer o que você precisa escutar não o que você quer. Recentemente ela passou por uma fase bem difícil mas transformou essas experiências em um álbum de superação, a melodia é cheia de instrumentos diferentes que nos embalam em uma leve alegria e ainda remete…