Pular para o conteúdo principal

Se eu ficar

Milhares de pessoas já devem ter ido ao cinema para assistir “Se eu ficar”, e provavelmente antes disso devem ter lido o livro. Eu acabei de lê-lo e aqui vai minha impressões sobre este Best-Seller.
Se eu ficar teve uma repercussão muito grande, quase tanto quanto A Culpa é das estrelas. A semelhança não para por ai. Dois bons motivos que me levaram a ler ambos é o fato de que eles não possuem sequência e não são do gênero sobrenatural. Não é que eu não goste de livros assim, mas tenho lido muitos desse tipo e é bom quebrar esse círculo. Acabei descobrindo que tenho uma pequena queda por livros que pelo fato de não terem sequência sugere ser autossuficientes, independente.
Antes de começar a ler, eu vi o trailer do filme que inda seria lançado e ouvi comentários de alguns leitores, então já tinha uma ideia de como seria a história, além de já estar ciente DA GRANDE ESCOLHA DE MIA,e  essa escolha que ela teria de fazer, me reteve um pouco. Eu achei que das 208 páginas do drama/romance mais da metade ficaria dando voltas e mais voltas em torno dessa escolha que a personagem principal deveria fazer. E o primeiro ponto bom do livro é que a autora não enrola tanto nesse aspecto.
Outras coisas que me agradaram na história foram os momentos em que a Mia relembrava seu passado e em como ele poderia se entrelaçar, ou andar paralelo com os acontecimentos mais recentes da jovem. O passado dela é algo muito tranquilo, é natural, é normal de uma forma generosa. A adolescente leva uma vida sem muitas complicações, passando pelas fases de sua vida de uma forma que flui muito bem. Ela não tem grandes problemas com sua personalidade simples, ela ama a música de forma saudável, apesar de em certo ponto sentir que não se encaixa na própria família ela não tem uma obsessão doentia que vemos em alguns personagens que não conseguem se aceitar. Enfim, Mia é uma personagem tão real que eu conseguia imaginá-la nitidamente.
O outro aspecto da história que me agradou foi os motivos que levam Mia a fazer a escolha dela, é difícil explicar sem dar spoiler, o que me agradou foi a força por trás de tudo.
Por fim, em aspectos negativos, eu achei superficialidade em muita coisa do livro. A autora tinha em suas mãos a força de tornar o livro em uma das coisas mais profundas que eu já li, sem querer comparar, ela poderia superar a profundidade que John Green usou em A culpa é das estrelas, mas ela deixou essa oportunidade passar.
Gostaria de ter tido mais informações no final, posso imaginar o porquê a autora deixou seus leitores com vontade de saber mais, mas ela não deveria ter usado essa estratégia, funciona para algumas tramas, não para essa.
Finalizando...eu não sinto vontade de ler outro livro de Gayle Forman, mas para um fim de semana entediante, chuvoso e solitário eu diria que Se eu ficar, é um livro bonzinho.

(Foto tirada por Bárbara Oliveira)



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma curiosidade sobre o jornalismo: mascote

Olá queridos leitores,
hoje eu vim aqui trazer para vocês uma curiosidade do jornalismo. É algo que eu descobri recentemente, achei interessante, e vim compartilhar.
Você sabe qual é o mascote que representa o seu curso? Ou o símbolo dele? Não? Não acha que seja algo relevante?
Pois saiba que na sua formatura, o(a) organizador(a) do evento terá a obrigação de saber para inserir na cerimônia, além disso o mascote ou o símbolo pode ter uma grande carga moral e ética que resume bem a sua futura profissão ou o perfil adequado, e lhe servirá de guia em sua jornada. Como exemplo eu trouxe os símbolos ou mascotes do jornalismo:
Foca: a foca é destinada a representar os recém formados (novatos) ou que estão prestes a entrar no curso, representa aqueles com pouco ou nenhuma experiência, a foca é considerada um animal curioso e observa tudo ao redor, pois é algo novo para ele, além disso ela demonstra determinação. Há aqueles jornalistas que não gostam muito dessa representatividade.



Raposa: ah…

Como transformar seu dia

Ela acorda pela manhã às 6:00, não dá tempo de colocar aqueles 5 minutos a mais no despertador, é preciso correr e se arrumar, mal da tempo de assimilar as coisas ao seu redor, ou de espantar o sono. Nessa fração de segundo, entre chutar o edredom e pisar na cerâmica gelada, o pensamento de desistir do seu dia assola sua mente, será que se faltasse do serviço só por hoje seria demitida? Por que ela não podia se permitir ser mais irresponsável? Tão rápido quanto veio o pensamento se dissipa, onde já se viu? A dificuldade 2x pior na vida de outras pessoas, os planos para o futuro, aqueles que dependem dela e até o mimo no fim do mês são desculpas suficiente para seguir em frente.
Seu dia começou.
Novamente.
Mais doses daquela rotina construída.
Seu dia tem tudo para ser como todos os outros.
Ela entra no metrô, abre um livro e se perde na rotina de outra pessoa, cavalga suavemente nas palavras que descrevem uma vida que não é sua. O fato de estar em pé e ter que ficar com o braço levan…

Playletras da superação

Olá queridos leitores. Já fazia um tempão que eu não fazia Playletras né? Para compensar eu trouxe uma lista com um propósito nobre. No playletras de hoje eu quero pedir que você baixe essas músicas, pode ser no celular ou no computador, de preferência quando estiver sozinho, escute em volume alto e preste atenção na letra. Deixe sua mente vagar pela mensagem porque as canções de hoje foram feitas e selecionada para ajudar você a superar, seja um término, seja pessoas ruins na sua vida, escolhas ruins ou erros que você não consegue deixar para traz, essas bandas de rock querem te incentivar a seguir em frente, então aperte o play and move on!
1° Pitty- Serpente A baiana Pitty é aquela melhor amiga que te manda a real! Ela vai te dizer o que você precisa escutar não o que você quer. Recentemente ela passou por uma fase bem difícil mas transformou essas experiências em um álbum de superação, a melodia é cheia de instrumentos diferentes que nos embalam em uma leve alegria e ainda remete…