Pular para o conteúdo principal

Você ama o que faz?

Como eu havia comentado em um post anterior, jornalismo não foi a escolha inicial para minha carreira, mas quando comecei meu curso estava gostando das matérias. Estética e história da arte foi minha primeira alegria na faculdade. Sempre adorei história, geografia e literatura. Além do fato de que sempre digo para mim mesma que eu não posso desistir, quando começo uma coisa eu vou até o fim.
Segundo semestre está ai e o tão esperado estágio também e como todos esperam estágio é para ganhar experiência e aprender. Não está sendo muito diferente, estou aprendendo algumas coisas e acredito que ler e escrever seja a melhor maneira de um jornalista se exercitar, é o que tenho feito!
Mas o que eu quero dividir com vocês é a experiência que eu tive essa semana. Eu não fazia ideia de que era apaixonada por essa profissão até perceber como as coisas que eu faço, que contribuem para a comunicação social, me afetam de uma forma intima, profunda, lá nas emoções até então não descobertas.
Eu escrevi uma matéria com promessa de publicação, pesquisei bastante e me empenhei para que fosse pelo menos aceitável, já esperava críticas, mas o que eu não esperava é que minha matéria se tornasse na síndrome do Ctrl C Ctrl V, foram copiados trechos de outros lugares da internet e jogados na minha matéria com algumas mudanças.
Isso causou um efeito que eu não esperava, me senti triste, decepcionada e com vontade de chorar, não chorei porque não queria fazer papel de ridícula. Mas ali eu descobri que cada texto que eu escrevo é uma parte de mim que estou cedendo, e vê-la se transformar em algo que eu considero uma falta de ética e profissionalismo me causou uma dor interior, um desconforto no espírito. Sei que esse sentimento pode parecer exagero,eu também acho, mas não posso ignorar que ele passou por aqui.
Hoje estou bem, mas não me esqueço, e quer saber? Tomo isso tudo como lição. A lição é que agora eu sei o tipo de profissional que eu quero ser e o que eu não quero ser. Percebi que estou mais conectada com minha futura carreira e que um dia amarei minha profissão. Mas além de tudo, isso só me mostrou o quanto as pessoas estão acomodadas, o quanto estão deixando de exercer a criatividade e a originalidade, você pode estar cercado de pessoas como esta neste exato momento.
(Foto tirada por Bárbara Oliveira)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Uma curiosidade sobre o jornalismo: mascote

Olá queridos leitores,
hoje eu vim aqui trazer para vocês uma curiosidade do jornalismo. É algo que eu descobri recentemente, achei interessante, e vim compartilhar.
Você sabe qual é o mascote que representa o seu curso? Ou o símbolo dele? Não? Não acha que seja algo relevante?
Pois saiba que na sua formatura, o(a) organizador(a) do evento terá a obrigação de saber para inserir na cerimônia, além disso o mascote ou o símbolo pode ter uma grande carga moral e ética que resume bem a sua futura profissão ou o perfil adequado, e lhe servirá de guia em sua jornada. Como exemplo eu trouxe os símbolos ou mascotes do jornalismo:
Foca: a foca é destinada a representar os recém formados (novatos) ou que estão prestes a entrar no curso, representa aqueles com pouco ou nenhuma experiência, a foca é considerada um animal curioso e observa tudo ao redor, pois é algo novo para ele, além disso ela demonstra determinação. Há aqueles jornalistas que não gostam muito dessa representatividade.



Raposa: ah…

Como transformar seu dia

Ela acorda pela manhã às 6:00, não dá tempo de colocar aqueles 5 minutos a mais no despertador, é preciso correr e se arrumar, mal da tempo de assimilar as coisas ao seu redor, ou de espantar o sono. Nessa fração de segundo, entre chutar o edredom e pisar na cerâmica gelada, o pensamento de desistir do seu dia assola sua mente, será que se faltasse do serviço só por hoje seria demitida? Por que ela não podia se permitir ser mais irresponsável? Tão rápido quanto veio o pensamento se dissipa, onde já se viu? A dificuldade 2x pior na vida de outras pessoas, os planos para o futuro, aqueles que dependem dela e até o mimo no fim do mês são desculpas suficiente para seguir em frente.
Seu dia começou.
Novamente.
Mais doses daquela rotina construída.
Seu dia tem tudo para ser como todos os outros.
Ela entra no metrô, abre um livro e se perde na rotina de outra pessoa, cavalga suavemente nas palavras que descrevem uma vida que não é sua. O fato de estar em pé e ter que ficar com o braço levan…

Playletras da superação

Olá queridos leitores. Já fazia um tempão que eu não fazia Playletras né? Para compensar eu trouxe uma lista com um propósito nobre. No playletras de hoje eu quero pedir que você baixe essas músicas, pode ser no celular ou no computador, de preferência quando estiver sozinho, escute em volume alto e preste atenção na letra. Deixe sua mente vagar pela mensagem porque as canções de hoje foram feitas e selecionada para ajudar você a superar, seja um término, seja pessoas ruins na sua vida, escolhas ruins ou erros que você não consegue deixar para traz, essas bandas de rock querem te incentivar a seguir em frente, então aperte o play and move on!
1° Pitty- Serpente A baiana Pitty é aquela melhor amiga que te manda a real! Ela vai te dizer o que você precisa escutar não o que você quer. Recentemente ela passou por uma fase bem difícil mas transformou essas experiências em um álbum de superação, a melodia é cheia de instrumentos diferentes que nos embalam em uma leve alegria e ainda remete…